sexta-feira, agosto 15, 2008

Como assim?

Da onde vem a raiva? Como pode um sentimento ser tão forte e surgir tão facilmente?
Algumas pessoas parecem que têm o dom de irritar, de falar ou fazer o que não deve, de afetar de alguma forma quem está em volta.
Às vezes a vontade de dar um tiro em alguém é tão forte que agradeço o fato de ser tão difícil conseguir o porte de uma arma.
Junta tanta coisa dentro, e dá uma agonia tão grande por não se poder extravasar quando se quer, que até quem não tem nada a ver, até quem nem se conhece acaba ganhando uma farpa da raiva.
E ao se ter consciência da injustiça de tal pensamento surge o sentimento de inferioridade.
Por que é mais fácil odiar do que amar? Por que é tão simples um gesto de grosseria e tão difícil um carinho sincero?
Por que caminhar sempre na defensiva, esperando dos outros somente mágoa e indiferença?
É tão mais simples não se importar, não levar em consideração. Se preocupar com todo mundo dá muito trabalho, não é mesmo?! E você nem sabe se vai ter alguma coisa em troca, nem sabe se vai valer à pena. E se for perda de tempo? Tempo é algo precioso, não pode ser gasto com bobagens, é preciso ser prático, pensar rápido, agir com cautela. Ser um bom estrategista. É isso que vale?
E daqui um tempo quando estiver velho e ninguém mais querer saber de você? Vai valer à pena o que ganhou tratando os outros como lixo? Será assim mesmo que as coisas devem funcionar? E por que é tão difícil fazer as pessoas pensarem como você. Por que nos sentimos tão mal quando não entendem nossas boas ações?
Como se importar sem se magoar? Como fazer coisas boas sem esperar absolutamente nada em troca de ninguém? Como a maldade e a raiva conseguem ser tão mais fortes e mais contagiosas do que a bondade e o amor? Alguém consegue explicar o que está acontecendo?
É difícil seguir fazendo coisas boas só porque é legal. É difícil ignorar o diabinho que sopra as maldades no ouvido. É quase impossível ser tão iluminado que consegue ser maior do que isso tudo que mostram para a gente todo dia em todo o lugar.
É mais fácil sentir raiva. É mais fácil ser indiferente, mas até quando isso pode continuar sem que haja conseqüências consideráveis à nós.
O essencial só é aprendido quando estamos velhos demais e então já não há tanto tempo para praticar o que há de bom. Só podemos disseminar o que aprendemos. Isso é, para quem estiver disposto a escutar.

6 comentários:

Cadinho RoCo disse...

As questões são muitas, mas a ilusão também emana muitas faces. O bem está acima do mal, o amor infinitamente maior que o ódio. Mas, no chão dos acontecimentos os rastros induzem a outras conclusões, mais simples sim de serem assimiladas, o que não quer dizer que sejam elas tão verdadeiras. Na verdade, o depoimento enraivecido chama de maneira estridente pelo amor que está sempre ao nosso dispor.
Cadinho RoCo

Ana disse...

eu axo q querer o q eh mais facil sempre é o mais simples, a bondade é dadiva de poucos, mas isso vai de cada um, cada um sabe o q eh melhor, cabe a nós apenas perdoá-los

bjxxx

Jaya disse...

Manda, postei! Rs.

Volto mais tarde pra te ler e comentar.

Beijo.

:]

Míope disse...

A eterna disputa.
Chamaria de 3ª Guerra Mundial, dentro de cada um.

Interessante reflexão.
Bejo.

Jaya disse...

Manda,

Parei agora pra te ler e me senti uma boba. Não tenho respostas pra nenhuma dessas tuas perguntas. Tanta inquietação move a gente, né? Tanta dúvida, tanta falta de solução, tanta desordem de sentimentos. É engraçado isso de viver. A gente passa a vida inteira com um mundo de questionamentos, e na hora em que eles começam a aclarar, a serventia já não alcança o tom que se esperava. Você não entende? Eu tampouco. Certo é que vou vivendo. Tentando dissipar, tentando acertar. E errando também, pra quebrar a monotonia.

Vamos aprendendo, então.

Boa semana pra você.

Beijo.

Nalu disse...

bunita!
espero que esteja td bem!
beijokas e boa semana pra vc!

(tipico comentário de quem não leu o post) não foi por mal... é sono! dps eu passo pra ver o que eu perdi!

beijos!