sábado, novembro 01, 2008

Divagações surgidas da frase de um livro...

"Então a suspeita bruta: não suportamos aquilo ou aqueles que poderiam nos tornar mais felizes e menos sós."
Caio Fernando Abreu - Anotações Insensatas (Pequenas Epifanias).

O que acontece é que a gente se acostuma com o vazio. Se habitua com a solidão diária. Com o caminhar desacompanhado. É fácil seguir assim. Fácil ter que tomar decisões cotidianas e práticas. É mais simples, mais cômodo.
Se surge alguém fica tudo bagunçado. É preciso conseguir espaço, tempo, tomar decisões estranhas que são questionadas pelo coração. E desde quando coração sabe alguma coisa? Deveria ficar quieto, batendo sossegado, limitando-se a bombear sangue para o resto do corpo, sem esse negócio de acelerar quando surge alguém, sem ficar dolorido quando o tal alguém não está.
É difícil aceitar o complexo, novas situações, novas rotinas. É mais fácil ser egoísta e só se preocupar consigo mesmo. Ter alguém perto cansa, assusta, vira tudo de cabeça para baixo, deixa a gente vulnerável e idiota.
Pode dizer que tenho medo, e tenho mesmo, mas sinceramente, racionalmente falando, é melhor continuar do jeito que está. Pelo menos hoje eu penso assim, mas amanhã pode ser diferente.

10 comentários:

Anônimo disse...

HAHAHA... ADOROOOOO TER RAZÃO!
E amooo essa situação, do coração bater mais forte, ter uma angustia no peito. Sei lá, faz sentir que esta VIVA, e que assim como vc se importa com o outro.. o outro pode se importar tanto quanto você!!!!
Eu adoro quando outros cuidam de mim, mesmo por pequenas coisas.
Quem mandou levantou um muro tão grande heim!
Hahha.. a melhor coisa a se fazer??? Eu acho que é deixar as coisas acontecerem!
Bjão KEICO =D

julio de castro disse...

cor, quo vado?

Luh disse...

afinal, o amor surgiu pra deixar a gente mais feliz ou mais triste, angustiado e agonizante?

Enxaqueca disse...

Olha, guapa... tudo nessa vida são fases... E assim, chega um momento que há como balancear a sua vida (o seu dia-a-dia, a sua rotina, as suas escolhas) com a entrada de uma outra pessoa (e, conseqüentemente outro dia-a-dia, outra rotina e outras escolhas) em nosso caminho... Não pense que tudo é para sempre paixão e pernas pro ar...

Besos, besos...

E besos pro TCC tb... Já o vejo como uma pessoa, sabe? Vou começar a perguntar até pela família dele!

=)

Anônimo disse...

Infelizmente é assim quase sempre; uma chateação. E é uma droga que seja assim mesmo.

Mas vim dizer que o template ficou mto mto lindo. O de riscas tbm era lindo.
Sempre bom gosto.

Natália disse...

Normal ter medo. E qdo vc ta envolvida, vc se lamenta da tal historia do coração se meter tanto...

Mas fazer o que né... é coisa que não se resolve fazendo uma passeata na paulista... bem que podia!

E acho que é bom vc pensar assim. Qdo chegar a hora certa, tua razão não falará mais alto que o tal do coração inxerido!

Bjos, Flor!

Enxaqueca disse...

ô, guapa... rsrsrs... o resto da banda não se resumia ao Amarante não... rsrs... lembre-se disso...


Besos, besos...

Karine disse...

é, pensando assim te dou razão. Mas deixa o coração entrar na história pra vc ver...

Alle Nascimento disse...

não tenha medo...
deixe o coração acelerar, tente conseguir espaço. ter alguém por perto só parece cansativo quando não queremos esse alguém...
pense!

abraço!

Carlos Howes disse...

Acho que no fundo, no fundo, tudo aquilo que é diferente assusta a maioria de nós. Pelo menos de primeira... Em compensação, são provavelmente as coisas que mais podem enriquecer nossas experiências depois...