quinta-feira, setembro 16, 2010

Deixa passar

Ela não sabia se ainda sentia aquilo que achava que sentia.
Caminhava naquele parque pensando nele e nas tantas vezes que passearam de mãos dadas por ali.
Já tinham se passado tantos anos, tantos outros vieram no lugar dele, mas nenhum ocupou em seu peito o espaço que ele ocupou. E aquilo a incomodava. Aquela sensação que não esqueceria jamais. Que tinha vivido o grande amor de sua vida, mas tinha deixado ele passar. Escorrer por entre os dedos como a areia de um grande deserto.
Tentava em vão não pensar. Sentia fome, medo, angústia, tudo junto e misturado e achava que a qualquer momento desapareceria do mundo. Se não prestasse atenção, no próximo passo ela iria evaporar. E isso não podia acontecer. Não podia esquecê-lo. Nem deixar passar.

4 comentários:

Nata Xavier disse...

Relacionando isso com a vida real, eu daria um boi pra descobrir de quem se trata, rs... Mas eu tenho já minhas suspeitas. Sempre tive.

Bjo

Guilherme Augusto Codignolle Souza disse...

Certas sensações são de forma tão intensas e nos envolvem com tanto peso que fica muito dificil de lidar...

Gostei daqui, estarei seguindo. ^^

Eu tenho um blog, quando puder passa la e me segue tbm se gostar do que encontrar:

http://codignolle.blogspot.com

Meu Twitter, se vc tiver:

https://twitter.com/guicodignolle

o/

Carlos Howes disse...

È difícil prever o futuro,mas sensações de arrependimentos passados são das que causam mais impotência ao ser humano. Talvez por isso sejam tão tristes.

Adriana disse...

oi vim agradecer a visita no meu blog
muito obrigada te espero de novo lá beijos